Clique em Configurações de Cookies  para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os  'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies .
OK

Hub de relatórios

Avaaz Disinfo Hub

A desinformação pode mudar a opinião pública, ampliar um assunto e até mesmo alterar o curso das eleições.

Esses ataques buscam criar divisão, difamar pessoas e organizações, além de promover imprecisões perigosas. Mas nosso movimento, com mais de 50 milhões de membros, é a força que precisamos para conter estes ataques. Juntos, estamos mostrando os fatos, corrigindo as fake news e responsabilizando governos e empresas de tecnologia.

Relatórios mais recentes Como combatemos a desinformação?

Relatórios
Investigativos

O Facebook está permitindo que "desinformadores recorrentes" inundem a plataforma com desinformação, acumulando mais de 142 milhões de visualizações.
A Avaaz descobriu desinformação sobre saúde se espalhando nas redes sociais com 3,8 bilhões de visualizações estimadas no ano passado - e mostra como colocar esta infodemia em quarentena.
IBOPE: Entre estes, 3 em cada 10 (ou 34%) declaram uma fake news como razão para não se vacinar, como “a vacina pode ter chips implantados para controle da população”.
Será que isso vai afetar a imunidade de rebanho no Brasil e no mundo?
Faltando apenas 5 meses até as eleições presidenciais dos EUA, os resultados indicam que os esforços atuais do Facebook estão muito aquém do necessário para proteger os eleitores estadunidenses (em inglês).
Os brasileiros acreditam mais em notícias falsas que os italianos e os estadunidenses.
Estudo indica que o Facebook está inundado com informações sobre curas falsas e teorias de conspiração; as postagens permanecem na plataforma por tempo suficiente para expôr milhões de usuários a risco.
Estudo indica que o Facebook está inundado com informações sobre curas falsas e teorias de conspiração; as postagens permanecem na plataforma por tempo suficiente para expôr milhões de usuários a risco.
Uma pesquisa conduzida pelos melhores especialistas no assunto, a pedido da Avaaz, prova que fornecer correções aos usuários das redes sociais que viram informações falsas ou enganosas pode reduzir a crença na desinformação pela metade.
O YouTube está recomendando a usuários vídeos com desinformação sobre mudanças climáticas, e as marcas mais confiáveis do mundo estão pagando por isso (relatório em inglês).
A investigação descobriu que uma nova onda de notícias falsas em 2020 poderia ser ainda maior que a de 2016 - a menos que o Facebook redobre os esforços para conter a desinformação e implemente a medida Mostrar os Fatos imediatamente (relatório em inglês).
Um novo estudo revelou que metade das fake news que se tornaram virais no Brasil foram criadas originalmente nos Estados Unidos e expõe como a desinformação pode estar reduzindo as taxas de vacinação no Brasil.
Um tsunami de discurso de ódio no Facebook atinge em cheio os indianos que correm risco de perder suas nacionalidades (relatório em inglês).
Redes de desinformação com alcance de meio bilhão de vizualizações em toda a União Europeia antes das eleições são retiradas do ar após a investigação da Avaaz (relatório em inglês).
O WhatsApp foi a principal rede social fonte de mensagens falsas, racistas, enganosas ou de ódio na Espanha durante a disputa para as eleições espanholas em 2019 (em inglês).
As notícias com desinformação e fake news nos grupos e páginas dos Coletes Amarelos no Facebook obtiveram mais de 105 milhões de visualizações em um período de 5 meses (relatório em inglês).
Uma proposta que convida as plataformas tecnológicas a trabalharem com verificadores de fatos para enviar correções a todos que forem expostos a conteúdo falso ou enganoso.

O tamanho do problema da desinformação 

A desinformação continua a impactar as nossas democracias em uma escala impressionante.

0
de visualizações estimadas de desinformação foram detectadas pelo nosso time

Christoph Scott, diretor de campanhas na Avaaz, discute as campanhas de desinformação que comprometeram a legitimidade das eleições na UE (em inglês).

Como estamos combatendo a desinformação?

Identificamos a desinformação

Identificamos a desinformação

Estamos escrevendo relatórios importantes e responsabilizando as empresas de redes sociais. Nossa equipe está empenhada em investigar e descobrir a extensão do problema até o dia em que as plataformas concordem em priorizar a transparência.


Nós supervisamos e responsabilizamos as empresas de tecnologias e os governos

Nós supervisamos e responsabilizamos as empresas de tecnologias e os governos

Com monitoramento feito com vontade política verdadeira e com as ferramentas necessárias, podemos verificar se as empresas de tecnologia estão fazendo todo o possível para administrar e mitigar a manipulação e a desinformação amplamente presentes na opinião pública controlada por empresas privadas.


Estabelecemos um marco jurídico de responsabilidade civil

Estabelecemos um marco jurídico de responsabilidade civil

Por meio dos nossos relatórios, atividades de incidência política e equipe jurídica, nossa comunidade está abrindo o caminho para um marco jurídico internacional de responsabilidade civil para acabar com as campanhas de desinformação nestes espaços que, atualmente, não sofrem nenhuma consequência por veicular tais campanhas.

Como
se proteger

A urgente ameaça da desinformação e como se proteger

A desinformação espalha desconfiança, medo e mentiras. Porém, podemos detê-la com conhecimento -- compartilhe este briefing com amigos e familiares para educá-los a respeito da ameaça da desinformação. E continue lendo para saber como se proteger!

Leia o briefing

Como enfrentar a Desinformação:
Os 5 Princípios Legislativos da Avaaz

A Avaaz desenvolveu 5 princípios legislativos que deveriam ser a base de qualquer iniciativa para combater a desinformação. Trata-se uma proposta regulatória abrangente baseada nos princípios da transparência, responsabilidade e liberdade. Fizemos consultas profundas com acadêmicos, legisladores, sociedade civil e executivos das redes sociais para chegar nestes 5 princípios legislativos que devem ser a base de qualquer esforço democrático para qualquer legislação que combata a desinformação:

  • Mostrar os Fatos

  • Desintoxicar o Algoritmo

  • Banir Contas Falsas e robôs não rotulados

  • Rotular conteúdo pago e revelar a escolha do público-alvo

  • Transparência